quinta-feira, 15 de Março de 2012

lendas de terror de China

Ouroboros O eterno Retorno

Não pensava em postar nada, mas quando vi o símbolo Ouroboros (ou oroboros) associado ao Mal em “A Sétima Vítima” ( Darkness), não pude resistir a escrever.
A serpente que engole a própria cauda
Sempre conheci o oroboros, ou a serpente que engole o próprio rabo (ou cauda para ser mais elegante), com um símbolo de eternidade e eterno retorno… E por um momento, vendo esse filme, achei que tinha aprendido tudo errado.
Oroboros é um símbolo antigo que mostra uma serpente ou dragão engolindo a propria cauda, criando assim um círculo.  É associado com alquimia, gnose, and hermeticismo. Representa o ciclo interminável das coisas, assim que um ciclo se encerra, começa outro. Em algumas representações, a serpente é mostra com um parte iluminada e outro nas sombras, representando a dicotomia de símbolos similares como o  Yin Yang. Dizem que talvez os antigos tenham criado a estória da serpente ao olhar para Via Láctea, pois em alguns manuscritos se menciona uma serpente de luz que mora nos Céus.
O símbolo vem de tempos antigos, desde o antigo Egito, cerca de 1.600 antes de Cristo, citado na Fenícia e os filósofos gregos, que deram a ela o nome de  Ouroboros (“o devorador da cauda”).
Na mitologia nórdica nós encontramos a serpente Jormungand, que é um dos filhos de  Loki, ela cresceu tanto que seu corpo circulou o mundo e com ses dentes mordeu a própria cauda. Na mitologia hindu, onde há um dragão que circunda uma tartaruga que carrega em suas costas quatro elefantes, que carregam o mundo. A serpente e o dragão também aparecem na mitologia asteca, chinesa, japonese e até mesmo entre os nativos americanos.
Os cristãos adotaram o o Ouroboros como um símbolo da limitação do mundo (que há um ser superior que demarca os limites), e a natureza transitória e que se auto consome da existência terrena (seguindos os passos do pastor em Ecclesiastes).
Na alquimia, é símbolo de eterna unidade de todos as coisas, o ciclo de nascimento e morte que os alquimistas procurar libertar. Para eles, simboliza a natureza circular das coisas, o consciente e o consciente.
Já no filme, uma seita ou seja o que for, têm de matar sete crianças para libertar o Mal. As crianças tem de ser mortas numa espécie de container ou pira talhado como um oroboros. Quando a protagonista descobre o oroboros escondido debaixo do piso da sala, vai até a biblioteca e encontra um livro que diz que o símbolo representa “as trevas”… Ora, em nenhum lugar encontrei nada que associe o oroboros ao mal…
Na verdade, como já explicado acima, é um símbolo associado às idéias de retorno, eternidade, reencarnação, etc… Talvez o que tenha ocorrido com o roteirista do filme foi ligar a figura do oroboros com o mal, já que para os cristão um dos símbolos das trevas é a serpente e o dragão.

Variedades de Dragão Chinês

Variedades de Dragão Chinês
Para a maioria das pessoas a palavra “dragão” denota um só animal. Há, no entanto, pelo menos oito espécies de animais a que se atribuem esse nome: Lung Wang, Shen Lung, Li Lung, Chiao Lung, Ying Lung, Chiu Lung, Tsao Lung e TuLung. Todos pertencem ao gênero dragão (Lung), mas cada um tem uma ou mais características que o diferencia dos demais.
Lung Wang
Por exemplo, Li Lung ou Chih Lung, como também é conhecido tem e é a única espécie possui asas. Vamos considerar agora somente a espécie Shen Lung, que é a mais conhecida. Shen Lung ou espírito dragão, seria o dragão real, mencionados desde o tempo de Yao e Shun. Dr. Williams, em seu “Reino Médio”, menciona apenas três variedades e diz que estes são, respectivamente, os dragões do céu, do mar, e de pântanos. No entanto, mas os chineses catalogam muito mais espécies
DSC09367Eles consideram que Shen Lung controla todas essas três esferas. A maioria dos outros  variedades são criaturas menores que são praticamente desconhecidas. A exceção é Wang Lung, o rei dragão. A diferença desta espécie para outras é que seus membros possuem uma cabeça de dragão e um corpo humano. Por isso é que alguns dizem que esse dragão chinês é a versão do Netuno da mitologia ocidental.
Todos os dragões verdadeiros são de dois tipos: aqueles que são de tal ordem pelo nascimento e aqueles que se
foto por: http://picasaweb.google.com/quanshijei
tornaram dragões por se transformarem de peixes das espécies carpa para dragões.
Esta variedade de dragões (originados de carpas) transformaram-se ao saltar as águas de uma catarata de um determinado córrego das montanhas ocidentais.  Um grande número de carpas faz isso uma vez por ano e  esta cachoeira é conhecida como “Portal do Dragão”. Lá elas tentam pular, mas poucas tem sucesso porque a altura é muito grande.
Esse fato, o das carpas tentarem saltar a cachoeira, é conhecido de todos os chineses, e se tornou parte da cultura popular. Há um ditado a respeito dos escolares que passam de ano que eles “passaram o Portal do Dragão”.
Essa figura é usada para ilustrar o quão difícil deve ser ultrapassar as altas águas de uma cachoeira, assim como deve ser difícil passar nesses exames… E acrescentando, é bom saber que mesmo uma carpa comum pode se tornar um poderoso dragão. Isso quer dizer que todos nós podemos alcançar um objetivo que se poderíamos ver como “impossível”.
Para finalizar temos o “dragão preguiçoso”, cuja tarefa seria conduzir nuvens de chuva pelo céu para criar chuva. Só que em vez disso, eles podem preferir mudar de tamanho até ficar pequeninos, descer até à superfície da terra e se esconder em árvores, sob telhados das casas e até em roupas de camponeses.
Quando o deus do trovão descobre que eles abandonaram seus postos, manda mensageiros procurar por eles e os extermina com rajadas de raios, à maneira do deus grego Zeus. Isso explicaria a destruição de vidas e bens durante tempestades. Tudo isso porque o Lan Lung ou dragão preguiçoso estaria se escondendo naquele local.
As cores dos dragões variam bastante, mas no caso do dragão chiao type suas costas tem uma faixa verde,  as laterais amarela, e vermelho na barriga.
As nove características de um dragão do tipo lung incluem cabeça de camelo, chifres de veado, olhos de lebre, orelhas de touro, pescoço de iguana, barriga de sapo, escamas de carpa, patas de tigre, e garras de águia. Longos caninos na mandíbula superior. A longa barba deve ter a função de tatear o caminho em locais lamacentos.
No restante, as cores variam de verde ao dourado, com uma série de espinhos longas Ou pequenas vindo das costas até a cauda, sendo maiores os da cauda. Uma espécie tem asas, e caminha sobre as águas. Outra sacode sua juba pra lá e pra cá fazendo barulhos como o som de uma flauta.
Dragões com cabeças de vaca são comuns. Um de dez pernas, encontrado nos bancos de areais de do rio Yang Tsé era diferente porque tinha sobracenlhas grossas e longas. Uma variedade do rio Yan Tsé vista nas margens em 1920 por um professor chinês era azul e grande como cinco vacas. Ambas as espécies, engatinham sobre as águas assim que começa a chover.


O Dragão na Mitologia Ocidental

Nine-Dragon_Screen-1Ljubljana_dragon
O Dragão na Mitologia Ocidental
O dragão não é um conceito apenas dos chineses. Ele ocupa um lugar de destaque nas lendas e literatura da maior parte dos países da Europa. Cicero em seu” de Divinatione ” Capítulo, parágrafo 30), Euripides em seu ‘Thilostratus”(Capítulo I, parágrafo 2), e Homero em “Íliada” (Capítulo II, parágrafo 309), todos mencionam dragões. A Bíblia, tem vinte e duas referências no Velho Testamento e trinta no Novo Testamento, e se refere ao dragão tanto alegoricamente ou como um animal real; entretanto, em muitos destas passagens, especialmente no Novo Testamento, a palavra “dragão” é um conceito infeliz, pois é evidente que em muitas das citações os autores das Escrituras evidentemente tinham a concepção de um animal que muito provavelmente se tratava do jacal.
Os mitos e lendas da Europa tem lugar para diversas estórias de dragão com o qual somos mais ou menos familiares. Entre outras está a lenda de Perseu, que salvou Andrômeda de um dragão e a estória de São Jorge e o Dragão; o conto de Sigfried, que matou um dragão em Worms e a estória de Beowulf, que no primórdios da História, despachou um dragão depois de matar Grendel.
O Rei Artur que foi chamado de temível Pendragon,” é descrito por Tennyson, em seu “Idills of the King”, sentado em um autêntico trono de dragão o qual rivalizaria em esplender àqueles do imperadores Manchu. A imaginação vívida do poeta nos deu essa descrição:
“A coroa real o dragão dourado sustentava
E embaixo no seu manto o dragão contorciam-se em ouro
E do entalhe atrás do trono surgem
Dois dragões ornados, deslizando para fazer
Braços para seu trono, enquanto o resto deles
Através de laços e fitas e dobraduras inumeráveis
Passando sobre os entalhes até se encontrarem
A nova forma na qual eles se perdiam.”
Muitas cidades costeiras e localizadas perto de rios na Inglaterra, França, Itália, Egito ainda recontam orgulhosamente suas lendas locais de dragões crués que foram mortos, após batalhas amgníficas, perto de bancos de rios ou do mar. Nós podemos ler sobre o Dragão Verde de Mordiford, o Dragão de Norwich, o Grande Dragão de Pittempton, o Dragão de Naples, o Dragão de Aries, o Dragão de Lyons, o Dragão de Marselha, Sebec, o Dragão do Nilo e muito mais. Estas estórias são orgulhosamente guardadas como tradições sagradas de suas cidades e países.
A concepção chinesa dos dragões apresenta uma criatura muito diferente destas nações na fronteira do Mediterrâneo e Atlântico. É verdade que há alguns pontos de semelhança, mas vamos chamar a atenção de apenas um, aquele à respeito sua visão aguçada. Ambos os tipos são dotados com uma ótima visão. O dragão chinês é surdo e isso explica, porque seus olhos, através de uma compensação natural, tenham alcançado um poder extraordinário. Sua visão é tão boa que ele pode facilmente distinguir um pedaço de grama milhas adiante. Em adição a isso é interessante lembrar que a palavra “dragão” em inglês é derivado do grego “drakon”, que significa “encarar” ou “ver”, e os clássicos mais que uma vez se referem ao animal como “dotado de aguda visão”. Nós não sabemos quem primeiro ligou o nome inglês “dragon” à concepção chinesa de dragão, lung, mas é dificilmente aceitável ao mestre Oriental dos mares ser identificado com o estigma que acompanha o seu companheiro inglês. Desde a recente revolução, muitos religiosos tem sido ouvidos para expressar sua grande satisfação em ver que a bandeira do dragão desapareceu para sempre.
O erro do uso da palavra dragão fez com que as pessoas confundisse o monstro maligno mencionado no livro das Revelações com o animal tão reverenciado pelos chineses. O dragão chinês da idéia ocidental generalizada em três pontos principais: na aparência, na personalidade e em consideração ao que se acredita. Na aparência, a concepção européia varia muito pouco da criatura da qual é o seu provável protótipo, salvo pela adição de um par de asas. As espécies chinesas estão em um patamar mais alto. O último tem uma cabeça maciça de onde emergem dois chifres galhados. Estas espécies, com a exceção de Chib Lung, ou Li Lung, não tem asas mas viagem de lugar em lugar pelas nuvens. Ainda, umas das grandes diferenças entre as duas variedades está na personalidade. O europeu é geralmente retratado com um monstro cruel, a personificação de tudo que é mal e inimigo do homem. A arte cristã o representa como o oposto da lei, harmonia e progresso e símbolo do pecado e paganismo. Nesse sentido alegórico, ele é retratado lutando contra São Jorge, São Miguel e São Silvestre, o qual personificavam a cristandade e a iluminação. Santos e mártires são retratados no ato de esmagar dragões sob seus pés. Ao passo que os dragões chineses, são sua antítese. É uma criatura benéfica, um amigo do homem. Ela traz a chuva que produz as colheitas e que por sua vez, traz comida. O terceiro ponto de distinção entre os dois dragões reside na consideração dispensada a eles. As espécies ocidentais eram criaturas horríveis, abjetas, evitadas e temidas pelos mortais, enquanto que os dragões asiáticos são objetos de reverência e mesmo culto pelos chineses. Esta criatura é de fato tão reverenciada que um dos mais sagrados títulos concedidos aos imperados era “O Dragão Verdadeiro”.

Sem comentários:

Enviar um comentário